Escolha uma Página

Transnacionais: respeitem

nossos direitos

Sobre o projeto / Quem somos

A campanha internacional “Água para os povos! Transnacionais: respeitem nossos direitos” é uma iniciativa de informação protagonizada por povos originários, tradicionais e camponeses de Argentina, Brasil, Colômbia e Peru cujos direitos à àgua, à saúde e ao protesto vêm sendo seriamente afetados por empresas transnacionais de mineração e siderurgia.

“Água para os povos!” procura denunciar as violações cometidas e também sua autoria, nomeando e responsabilizando as empresas que poluem, contaminam, destroem e monopolizam a água.

A campanha internacional também comunica e procura fortalecer as estratégias de resistência e criação do bem-viver criadas pelos povos originários, tradicionais e camponeses na defesa do direito à água, à terra, ao território e à vida.

Em cada um dos quatro países onde a campanha acontece, entidades locais apoiam as iniciativas de comunicação e articulação das comunidades que protagonizam a ação internacional: Bienaventurados los Pobres na Argentina, Justiça nos Trilhos no Brasil, Pensamiento y Acción Social na Colômbia, e CooperAcción no Peru.

 O problema

As transnacionais de mineração baseiam suas atividades na expropriação da terra, da água, no monopólio da água, na violência contra os corpos e modos de vida dos povos originários, tradicionais e camponeses. A mineração é uma cadeia de práticas humanas, ambientais e éticas insustentáveis.

Os desastres ambientais, como vazamentos, grandes contaminações e rompimento de barragens são a face mais explícita das violações cometidas e permitidas pelas empresas de mineração contra os povos, seus territórios e o ambiente.

No entanto, existe um horror diário sofrido pelas populações afetadas por estas empresas.

Ruído, contaminação do ar e da água, metais tóxicos nos corpos das pessoas, entupimento e assoreamento de rios e igarapés, atropelamento de pessoas e animais nas estradas de ferro que transportam o minério saqueado, militarização de territórios, criminalização de protestos, violência policial, intimidação, cooptação, racismo generalizado.

A possibilidade de uma mineração sustentável não existe.

As opções do mundo neste momento de absoluto esgotamento da natureza, especialmente da água, são: ou a mineração, ou a vida.

campanha Internacional

Argentina

Brasil

Colômbia

Peru

Reportagens Especiais

“Ou a água ou a mineração. As duas coisas são incompatíveis”

Dia 22 de março celebra-se o Dia Mundial da Água. A partir de hoje (16/03), a campanha “Água para os Povos!” empreende uma ação de uma semana para celebrar a data e fazer eco à afirmação dos movimentos em defesa da água: “ou a água, ou a mineração.”

Crime ou Acidente? Impactos socioambientais da mineração de Minas Gerais ao Maranhão

Janeiro é o mês de alerta sobre a mineração e seus impactos. Nesta segunda reportagem feita em parceria entre a Campanha Água Para os Povos e a Campanha Janeiro Marrom abordamos a diferença entre crime e acidente.

Campanha “Janeiro Marrom” lembra um ano do crime da Vale em Brumadinho e alerta para violações constantes de mineradoras

Água para os Povos! une-se a Janeiro Marrom para denunciar impunidade das empresas e informar sobre impactos da mineração

Jovens de Santa Rosa dos Pretos usam arte para combater racismo institucional

Assista ao vídeo da ação artístico-pedagógica que jovens quilombolas de Santa Rosa dos Pretos fizeram para combater o racismo na escola

“No quilombo quem manda é Iemanjá”

Neste samba, a filha de santo Maria Dalva Pires Belfort fala da importância da água enquanto alimento para o espírito.

Santa Rosa dos Pretos, terra de sementes

O território quilombola Santa Rosa dos Pretos existe e resiste há séculos de saques de invasores, sejam os europeus, sejam as empresas, como a mineradora Vale S.A.

Siderúrgicas poluem o Rio Piquiá

Moradora de Piquiá de Baixo recorda do rio antes da presença das empresas siderúrgicas no bairro.

“Meu sonho é que as siderúrgicas parassem de poluir o rio e o meu bairro”

A jovem moradora de Piquiá de Baixo, Kelly Silva, relata sobre a poluição no bairro.

Áudio-crônicas: Um olhar poético sobre Piquiá de Baixo

Um olhar poético sobre a comunidade de Piquiá. Um bate papo com uma moradora do bairro gerou três áudio-crônicas.

Aberta as inscrições para Seminário Internacional sobre povos tradicionais, Direitos Humanos e Empresas

O Seminário Internacional sobre Direitos Humanos e Empresas “Povos, comunidades, natureza: insurgências frente ao extrativismo predatório”, ocorre entre os dias 15 a 19 de março de 2021, em formato virtual e gratuito.

Ação

Enviar material para o projeto.

Últimas Notícias

Seguir

Brasil: Campanha destaca o impacto prejudicial da atividade mineradora sobre a saúde e o meio ambiente

Brasil: Campanha destaca o impacto prejudicial da atividade mineradora sobre a saúde e o meio ambiente

A Federação Internacional de Direitos Humanos, juntamente com o grupo a Justiça Nos Trilhos, lançam hoje, 29 de outubro, uma campanha para alertar os cidadãos e cidadãs do mundo que inconscientemente consomem os produtos das empresas mineradoras e siderúrgicas que há mais de três décadas vêm deteriorando a saúde e poluindo o meio ambiente da comunidade de Piquiá de Baixo, na Amazônia brasileira.

Seguir

Brasil: Campanha destaca o impacto prejudicial da atividade mineradora sobre a saúde e o meio ambiente

Brasil: Campanha destaca o impacto prejudicial da atividade mineradora sobre a saúde e o meio ambiente

A Federação Internacional de Direitos Humanos, juntamente com o grupo a Justiça Nos Trilhos, lançam hoje, 29 de outubro, uma campanha para alertar os cidadãos e cidadãs do mundo que inconscientemente consomem os produtos das empresas mineradoras e siderúrgicas que há mais de três décadas vêm deteriorando a saúde e poluindo o meio ambiente da comunidade de Piquiá de Baixo, na Amazônia brasileira.

Canal Vídeos

Assista aos nossos vídeos

Acompanhe entrevistas, reportagens, documentários e outros conteúdos produzidos pela campanha e suas aliadas


Inscreva-se

Mapa regional